Posts Tagged ‘Amazônia’

h1

Cerca de metade dos brasileiros teme uma invasão por causa da Amazônia ou do Pré-Sal

15 de dezembro de 2011

R7 – 15/12/2011

Metade dos brasileiros teme que o país sofra invasão por causa da Amazônia

Pesquisa divulgada nesta quinta-feira (25) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostra que metade dos brasileiros acredita que o Brasil pode sofrer uma agressão militar estrangeira por causa da Amazônia.

De acordo com os resultados, 50,2% dos entrevistados disseram acreditar totalmente ou muito na possibilidade de uma invasão por causa da Amazônia. Esse conflito ocorreria nos próximos 20 anos.

Outros 17,1% declararam acreditar razoavelmente nesta hipótese, e 30,4% afirmaram que acreditam pouco ou não acreditam.

Na região Norte, onde estão os Estados da Amazônia Legal, 66,1% das pessoas ouvidas disseram que acreditam totalmente ou muito na ocorrência de uma agressão militar.

O levantamento também tratou da percepção dos brasileiros sobre o trabalho de ONGs estrangeiras (organizações não governamentais) que atuam na região amazônica. Segundo o Ipea, 61,1% dos entrevistados avaliaram como muito positiva ou positiva a ação dessas entidades.

O Ipea apurou ainda que 45,5% dos entrevistados admitiram que temem uma agressão militar estrangeira por causa do petróleo da camada do pré-sal.

Questionados sobre os países que representam uma potencial ameaça para o Brasil, 37,1% mencionaram os Estados Unidos. Em seguida vêm Argentina (15,6%) e Bolívia (12,2%). A China foi citada por apenas 9,7% e a Venezuela, por 5,9%.

Um fato curioso é que, quando o Ipea perguntou quais nações poderiam desempenhar o papel de aliados ou parceiros do Brasil, a primeira posição ficou também com os Estados Unidos, com 32,4%. A Argentina apareceu em segundo, lembrada por 31,4%. A China foi a terceira, com 16,7%, seguida de Bolívia (15,1%), Paraguai (15%) e dos países da Europa (14,6%).

Outras ameaças

Para realizar a pesquisa, o instituto listou uma série de potenciais ameaças à segurança da população e do país. Do total de entrevistados, 54,2% apontaram o crime organizado como a ameaça que mais causa medo. Em seguida, apareceram os desastres ambientais ou climáticos, mencionados por 38,6% dos entrevistados.

O ranking também traz as hipóteses de guerra com uma potência estrangeira (34,7%), guerra com um país vizinho (33%), epidemias (30,5%) e terrorismo (29,5%).

O Ipea fez a pesquisa, intitulada Percepção Social sobre a Defesa Nacional, entre os dias 8 e 29 de agosto e ouviu 3.796 pessoas de todos os Estados do país.

Fonte: http://noticias.r7.com/brasil/noticias/metade-dos-brasileiros-teme-que-o-pais-entre-em-guerra-por-causa-da-amazonia-20111215.html

 

 

 

acesso via blog do ISAPE : http://isape.wordpress.com/2011/12/15/metade-dos-brasileiros-teme-uma-invasao-por-causa-da-amazonia-e-45-pelo-pre-sal/

 

 

Anúncios
h1

Governo Federal lança programa de expansão do dendê

4 de maio de 2010

Embrapa

04/05/2010

Governo Federal lança programa de expansão do dendê

Daniela Collares  –  Embrapa Agroenergia

Ana Laura Lima  –  Embrapa Amazônia Oriental

Governo Federal lança programa de expansão do dendê - Foto: Rui Gomes

Governo Federal lança programa de expansão do dendê - Foto: Rui Gomes

 
 

 Inclusão social, emprego e renda, plantio e parceria, ordenamento territorial, produtividade e competitividade, sustentabilidade e biodiversidade e investimento aliado ao desenvolvimento são pressupostos que dão suporte ao Programa de Produção Sustentável de Palma de Óleo no Brasil – DENDEPALM. O Programa será lançado pelo Governo Federal na próxima quinta-feira, 06.05, às 9 horas, na Associação Agropecuária do Vale do Acará, em Tomé Açu/PA.

O Programa tem foco temático em produtividade com sustentabilidade – com atenção especial à agricultura familiar – sob a coordenação da Casa Civil da Presidência da Republica, e dos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Desenvolvimento Agrário, de Minas e Energia e do Meio Ambiente. A idéia é incentivar a assistência técnica, o crédito para o pequeno produtor e a pesquisa e inovação.

Read the rest of this entry ?

h1

Geração de energia, emprego e renda com a produção de biocombustíveis na Amazônia

4 de março de 2009

 Revista Época

04/03/2009

Lucros com ação social na floresta

 

Como a agropalma, maior produtora de óleo de dendê da América latina, está reinventando seu negócio para reduzir o impacto socioambiental na amazônia – e assim atender às novas exigências do vigilante mercado internacional

Por Aline Ribeiro, de Tailândia (PA) fotos Luiz Maximiano

Com uma foice colocada na ponta de uma haste de alumínio, funcionário da Agropalma corta um cacho da palmeira de dendê, na região de Tailândia, no Pará. Cada cacho pode pesar até 25 quilos

As margens de uma rodovia esburacada no interior do Pará, a 220 km de Belém, um vilarejo de 5 mil habitantes é o cenário perfeito para um daqueles filmes nacionais que exploram a temática da miséria. A Vila dos Palmares, como é chamado, ganhou o aspecto de uma autêntica favela plantada no meio da Amazônia. Nos cortiços, em vez de banheiros, há fossas no chão. O esgoto passeia a céu aberto por ruas sem asfalto. Na estrada ao lado, a PA-150, caminhões sem condições mínimas de segurança circulamcom carregamento ilegal de madeira surrupiada da floresta. O povoado de Palmares surgiu há 27 anos, quando a Agropalma, maior produtora nacional de óleo de dendê, alojou-se na região atraindo milhares de nordestinos e paraenses em busca de emprego. Quase três décadas depois, faturou R$ 649 milhões no ano passado, mas tem uma batata quente na mão. Não é mais aceitável, aos olhos vigilantes do mercado internacional, que os negócios de uma companhia estejam associados a um caso de caos social como a Vila dos Palmares. Para conquistar status de responsável e a aprovação de clientes engajados na causa socioambiental, a Agropalma terá de se reinventar. “Não estamos fazendo porque somos bonzinhos, mas porque somos inteligentes”, afirma o engenheiro Marcello Amaral Brito, principal executivo da Agropalma. “As empresas que não se redesenharem vão ficar fora do cronograma futuro dos negócios.”

Veja a galeria de imagens dos trabalhadores da Agropalma

Ouça o podcast com os bastidores da reportagem

Sozinha, a Agropalma responde por 75% da produção brasileira de óleo de dendê, que vende para as indústrias alimentícia, cosmética e química. O óleo de palma, como também é conhecido, tem as mais variadas aplicações: é base de hidratantes e óleos corporais, utilizado no processo de fritura de batata e na fabricação de massa de biscoitos. Cerca de 15% dos volumes produzidos nas cinco unidades de extração no Pará são exportados para países europeus e para os Estados Unidos – mercados cada vez mais sensíveis às questões socioambientais. Desde que acordou para o assunto, a Agropalma vem se empenhando no aperfeiçoamento de processos e produtos para se aproximar das práticas de menor impacto ambiental. Já obteve oito certificações – três de gestão, quatro relativas à agricultura orgânica e uma de “comércio justo”. Foram investidos R$ 5 milhões em tais programas. Neste ano, a Agropalma vai enfrentar um desafio ainda mais ambicioso: obter da Roundtable on Sustainable Palm Oil (RSPO, ou Mesa Redonda do Óleo de Palma Sustentável), organização de renome internacional criada para promover o crescimento sustentável da produção do óleo de palma, um atestado de que também zela pelo meio ambiente e pelas comunidades no entorno de seu negócio.

 

 
A Agropalma desenvolve um programa social de agricultura que emprega 185 famílias da região e gera uma renda média mensal de R$ 1,7 mil para cada uma. Com a iniciativa, a empresa pretende ajudar a frear o desmatamento, pois afasta as pessoas de atividades que devastam.

É por isso que melhorar a qualidade de vida da população de Vila dos Palmares tornou-se uma prioridade da companhia. Tão importante quanto dotar o vilarejo de infraestrutura e saneamento básico é prover fontes de geração de renda, educação de qualidade, segurança, saúde. Mas isso requer também a presença do Estado.

Os problemas sociais espalham-se. “Aqui, quando a pessoa não mata, arranca a mão”, diz um funcionário da Agropalma. “O motivo? Mulher, cachaça ou mato [maconha].” Na semana em que a reportagem de Época NEGÓCIOS esteve na região, cinco meninas, entre 10 e 13 anos, foram encaminhadas a Belém para fazer teste de aids. Recorrente em grande parte dos municípios do Norte do país, a prostituição infantil é um flagelo também em Vila dos Palmares, que funciona como ponto de descanso de viajantes e caminhoneiros que transportam madeira ilegal.

O povoado conta com 85 bares – e só quatro escolas. “As escolas ficam na frente dos bares”, diz João Meirelles, presidente do Instituto Peabiru, contratado pela Agropalma para desenvolver um projeto social. “Sabemos que as mães com mais condição financeira mandam as filhas, assim que fazem 12 anos, para a casa de parentes fora da vila. É uma forma de mantê-las afastadas da prostituição infantil.”

A Agropalma desenvolve um programa social de agricultura que emprega 185 famílias da região e gera uma renda média mensal de R$ 1,7 mil para cada uma. Com a iniciativa, a empresa pretende ajudar a frear o desmatamento, pois afasta as pessoas de atividades que devastam a floresta

A Agropalma desenvolve um programa social de agricultura que emprega 185 famílias da região e gera uma renda média mensal de R$ 1,7 mil para cada uma. Com a iniciativa, a empresa pretende ajudar a frear o desmatamento, pois afasta as pessoas de atividades que devastam a floresta

A colaboração de parceiros experientes tornou-se indispensável na resolução de questões delicadas como as enfrentadas pela Agropalma. Daí a contratação do Peabiru, uma organização conhecida por batalhas contra as mazelas sociais na Amazônia. Durante seis meses, um funcionário do instituto morou próximo à vila para acompanhar de perto a rotina das pessoas que vivem na área de influência da companhia.

Listadas as prioridades, a entidade começou, em janeiro passado, a implementar uma série de ações em Palmares, todas voltadas para o fortalecimento da consciência de cidadania dos moradores. Esse tipo de trabalho ganha importância por causa do baixo grau de instrução que prevalece entre os moradores da vila. São trabalhadores que acordam por volta das 5 horas da madrugada e seguem até a fazenda da Agropalma – distante cinco quilômetros da vila –, onde cumprem uma jornada de oito horas no corte dos cachos das palmeiras, que chegam a pesar 25 quilos. É de onde sai a matéria-prima que vai virar óleo. Diante disso, o primeiro passo do Peabiru é implementar no povoado os princípios da chamada Agenda 21 – um documento aprovado na Eco92 que funciona como um facilitador para que os cidadãos fiquem cientes de seus direitos.

O segundo será reivindicar da prefeitura de Tailândia, responsável por Palmares, condições mínimas para o desenvolvimento local. “O poder público está ausente na região e parte da culpa é a falta de organização social local”, diz Meirelles. A outra tarefa do grupo é coletar dados da comunidade, de acordo com as diretrizes do Global Reporting Initiative (GRI), organização com sede na Holanda que dá orientações a empresas para a elaboração de relatórios de desempenho econômico, ambiental e social. A iniciativa possibilitará uma visão mais clara da situação atual da vila.

Trabalhadores da Agropalma, maior produtora de óleo de dendê da América Latina, na fazenda da empresa, no Pará. Sozinha, a Agropalma responde por 75% da produção brasileira de óleo de dendê. A empresa faturou R$ 649 milhões em 2008.

http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI62806-16642,00-LUCROS+COM+ACAO+SOCIAL+NA+FLORESTA.html