Archive for novembro \30\UTC 2009

h1

Fotos selecionadas da “Operação Laçador”

30 de novembro de 2009

Imagens da Operação laçador:

http://www.lacador.eb.mil.br/
https://i2.wp.com/www.forte.jor.br/wp-content/uploads/2009/11/opera%C3%A7%C3%A3o-la%C3%A7ador-2009-logo-gde.JPG

-

BdaPqdt_preparosalto3.redimensionado

Equipe de paraquedistas

BdaPqdt_preparosalto4.redimensionado

Fotos: Sgt Peixoto

-
-



-
-



https://i2.wp.com/www.lacador.eb.mil.br/images/morfeoshow/for__a_aerea-1485/big/SAR10.jpg


-





-

https://i0.wp.com/www.lacador.eb.mil.br/images/morfeoshow/atua____o_da-4684/big/Mat%C3%A9ria19NOV-Foto003.JPG

Treinamento de combate a incendios em embarcações

https://i2.wp.com/www.lacador.eb.mil.br/images/morfeoshow/atua____o_da-4684/big/Mat%C3%A9ria19NOV-Foto012.JPG

Marinha simula defesa do litoral: cenário hipotético em que uma potência estrangeira teria tomado plataformas petrolíferas do Brasil

https://i2.wp.com/www.lacador.eb.mil.br/images/morfeoshow/atua____o_da-4684/big/NAVISOSUSPENDEMPARAPATRULHAMENTO.JPG

Marinha do Brasil treina defesa de Bacia Petrolífera no mar

Ministro2

Ministro da Defesa vistoria Operação Laçador

-
-
Anúncios
h1

Brasil tranquiliza o Paraguai em relação a exercícios militares

25 de novembro de 2009

Jornal Zero Hora

25 de novembro de 2009 | N° 16166

EXERCÍCIO MILITAR

Brasil tranquiliza os paraguaios

http://zerohora.clicrbs.com.br/

Ao comentar a preocupação paraguaia com a movimentação de 10 mil militares na Operação Laçador, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse ontem, na Capital, que não se trata de uma “provocação” ao país vizinho: – Não temos pretensão expansionista. Todas as questões de fronteira já foram resolvidas. Pelo contrário, estamos ajudando o Paraguai.

As especulações surgiram no país vizinho quando foi divulgado que o exercício militar previa a tomada de uma usina binacional, representada pela hidrelétrica de Itá, situada na divisa do Rio Grande do Sul com Santa Catarina.

Como coincidiu com o apagão que teve como centro problemas nas linhas de transmissão da usina hidrelétrica de Itaipu, de propriedade brasileira e paraguaia, a atividade envolvendo uma hidrelétrica despertou temores no governo do Paraguai, desconfiado de que o objetivo seria simular uma eventual tomada do local.

Concessões feitas ao país vizinho, como o financiamento de uma linha de transmissão de Itaipu a Assunção e a recuperação de blindados paraguaios são, para Jobim, indicativos de que a preocupação é infundada. Por outro lado, ele ressaltou que dentro do território brasileiro será feito qualquer tipo de exercício, sem interferência de outras nações. Jobim ainda deu a entender que o treinamento serve para mostrar ao mundo que o Brasil é soberano em suas decisões. Jobim defendeu ainda a realização de exercícios militares como forma de preparar o país para um eventual conflito.

– O Brasil não tem inimigos, mas tem de estar preparado – afirmou.

Acompanhado dos comandantes da Marinha, almirante-de-esquadra Júlio Soares de Moura Neto, do Exército, general-de-Exército Enzo Martins Peri, e da Força Aérea, tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito, o ministro explicou por que o tema energético foi o escolhido para nortear os combates fictícios:

– O conflito, no mundo do futuro, é o conflito energético. A América do Sul é um grande produtor de energia, não só hidrocarboneto, mas também energias alternativas.

A Operação Laçador, que se encerra na sexta-feira, envolve homens e mulheres das três forças nos três Estados da Região Sul.

O custo da operação é de R$ 10 milhões, do orçamento do Ministério da Defesa.

http://zerohora.clicrbs.com.br/
h1

“Guerra” por luz e petróleo

18 de novembro de 2009

Correio do Povo

ANO 115 Nº 49 – PORTO ALEGRE
18 de novembro de 2009

”Guerra” por luz e petróleo

http://www.correiodopovo.com.br/

A Operação Laçador mobiliza 8 mil militares da Aeronáutica, do Exército e da Marinha em um conflito fictício entre dois países hipotéticos: Verde (Paraná, Santa Catarina e parte do RS) e Amarelo (regiões da Campanha e Noroeste do RS). As duas nações estão em conflito desde segunda pelo domínio de uma usina hidrelétrica binacional e bacias petrolíferas. “O exercício de adestramento testa a integração do Ministério da Defesa e das Forças Armadas”, justificou o comandante da Força Aérea Componente 106, brigadeiro Antônio Carlos Egito do Amaral.

Na Base Aérea de Canoas, ontem, ele negou qualquer vinculação do treinamento com o apagão que atingiu 18 estados no dia 10. A coincidência preocupa o Paraguai. O jornal ABC Color estampou sábado o receio, por meio da manchete “Brasil prepara simulacro de guerra dirigido ao Paraguai”. “Não há relação entre os fatos, pois é impossível organizarmos uma operação de tamanha grandeza em menos de uma semana”, explicou Egito.

A manobra coordenada pelo Comando Militar do Sul envolve 13 navios, dois submarinos e 53 aeronaves. O país Amarelo enfrenta uma crise de energia. A única fonte de energia vem de uma usina binacional construída em parceria com o Verde, onde fica a hidrelétrica. O Amarelo decide ocupar os campos petrolíferos do Verde, na região do Porto de Rio Grande. Com o aval da ONU, o Verde decide tomar a usina.

Correio do Povo

http://www.correiodopovo.com.br/
h1

Aprovado projeto que aumenta efetivo da Marinha

13 de novembro de 2009

Agência Câmara

13/11/2009

Aprovado projeto que aumenta efetivo da Marinha

Noéli Nobre  – Reportagem

Pierre Triboli  – Edição

http://www2.camara.gov.br/
-
foto:  Luiz Alves

CCJ aprovou a proposta, que seguirá para análise do Senado.

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou ontem o Projeto de Lei 5916/09, do Poder Executivo, que autoriza o aumento de efetivo da Marinha em 36%, passando de 59,6 mil para 80,5 mil. Segundo os ministros da Defesa, Nelson Jobim, e do Planejamento, Paulo Bernardo, que encaminharam o texto ao Congresso, esse aumento será gradual, completando-se em 20 anos.

De acordo com o governo, o reforço da Marinha é justificado pela necessidade de maior presença naval nas águas brasileiras, em razão do pleito de extensão dos limites exteriores da plataforma continental e da defesa das plataformas de exploração de petróleo no mar.

O projeto, que já havia sido aprovado pelas comissões de Relações Exteriores e de Defesa Nacional; e de Finanças e Tributação, seguirá para o Senado, a menos que haja recurso para sua análise em plenário.

O relator na CCJ, deputado Colbert Martins (PMDB-BA), recomendou a aprovação da proposta e da emenda da Comissão de Finanças e Tributação. A emenda condiciona a criação dos cargos, postos e graduações à sua expressa autorização em anexo próprio da lei orçamentária anual.

Íntegra da proposta:

– PL-5916/2009


Notícias relacionadas:

Agência Câmara

http://www2.camara.gov.br/